domingo, 20 de agosto de 2017

Poção Trágica




chego a ver
subindo as escadas
esse leite iluminado
fruto do olho cego
veneno agonizador

as minhas mãos
desirmanadas tomando-o
obedientes
duas cabeças
de cabra
sem mancha
oferta queimada
de cheiro suave
ao senhor

as mãos
como pés que marcham
vão à boca
obstinada
beber o mal
para alcançar o bem

ser doce cúmplice
é cumprir no silêncio
a expiação da culpa

e tudo aceito
por tua vontade
como se também eu
acreditasse
adeus











quarta-feira, 19 de julho de 2017

Space Oddity



Imaginemos por um instante, façam-me lá esse pequeno agrado, o Neil deGrasse Tyson a ler no Facebook as declarações daquele grupo de pessoas que acredita piamente que a Terra é plana.
Eu diria que encolheria ligeiramente os ombros, abanaria desconsoladamente a cabeça duas ou três vezes e passaria adiante, para a estrela mais próxima ou mais distante, aposto que o estudo da mais longínqua lhe dará mais entusiasmo.
O que um grupo de centenas de milhares de “rednecks” escolhe acreditar por ignorância pura não tirará o sono, nem a concentração, a um astrofísico que se dedica à divulgação científica com afinco e alegria. Tyson trabalha, respira e vive para levar o conhecimento a quem o quiser receber.
Aprender é um processo activo, tem de haver uma vontade consciente e voluntária de quem recebe a informação.
Da mesma maneira a ignorância implica uma vontade activa de recusa de conhecimento. A ignorância não é sinónimo de desconhecimento.
Cada um de nós transporta um certo grau de desconhecimento que é sempre elevado em relação à quantidade de conhecimento disponível sobre uma imensidão de assuntos e que é impossível abarcar no tempo de uma vida. Desconhecer é inevitável, e acontece sem a nossa colaboração.

A ignorância, é a busca voluntária e consciente do desconhecimento. Acontece quando alguém sabe que existe uma determinada informação mas prefere manter-se longe desta. Prefere não saber. Trata-se portanto de uma escolha, uma liberdade.
Como devem calcular a ignorância pode ser por vezes útil. Ninguém pode saber tudo sobre tudo, há que fazer opções pois os nossos neurónios são finitos e convêm poupa-los.
Podemos até ter a necessidade ou o simples capricho de ignorar certas pessoas. Quem nunca?
Nem toda a gente me interessa. Eu não interesso a toda a gente. Por isso sou ignorada por algumas pessoas e não posso levar-lhe a mal. Cada um tem os seus gostos. E é assim que está certo.
Terminando este parêntesis e continuando o meu exercício de imaginação, voltemos ao Neil. Ele vai lendo barbaridades na Internet, nada de novo no reino da “Dinamarca”, e tal, quando lhe passa pela vista um discurso de um professor de física lá do burgo, com prémios recebidos, medalhas de mérito, doutoramentos, pós-graduações aos magotes, reconhecimento unânime dos seus pares, em que este afirma que a terra é plana, descobriu em sonhos a noite passada, jurando a pés juntos ser verdade, verdadinha, que eu morra aqui e tudo.
Se calhar, desta vez, não se lhe encolherão os ombros, nem a cabeça abanará dolentemente. Talvez as rugas da testa se tornem mais sulcadas e os lábios contritos de preocupação. Um físico que apregoa uma mentira está a propagar um fogo na floresta do conhecimento e a impedir que as pessoas que buscam a sombra fresca e reconfortante da verdade científica a possam alcançar.
Estou a ver o deGrasse a enfiar o seu equipamento de bombeiro, apanhar a sua mangueira e em segundos ficar pronto para a luta contra o fogo ardente da idiotice. Vejo-o até a ligar o seu SIRESP, felizmente, neste caso, um SIRESP amigo e eficaz: o Bill Maher, o John Oliver, o Stephen Colbert e os jornalistas em geral para desmascarar o Físico-impostor ou o Físico-enlouquecido, não sabemos mas para o caso vai dar igual.
E assim, o Neil Tyson vai usar a melhor arma contra as chamas negras da irracionalidade: a palavra, o veículo do pensamento inteligente do Homem. Se não bastar a palavra, venha o canhão maior: a Matemática.
Se nada disto der certo perguntem ao Major Tom, ele sabe, ele esteve lá.

domingo, 16 de julho de 2017

UM POEMA DE FERNANDO PINTO RIBEIRO





SALMO
                                               a João Bigotte Chorão.
Estou morto.

Mas a vida
lambe a minha pele em labaredas.
Sou noite.
Mas o dia
põe-me nos lábios papoilas
e coroa-me de espigas o cabelo.
Ceguei.
Mas a luz
vem poisar-me sobre as pálpebras
outras tantas borboletas inquietas.
Não oiço.
Mas o eco do silêncio
canta o hino imenso que eu não posso.
Não respiro.
Mas aspiro o alento
da maresia no vento.
Não sinto.
Mas pressinto: a minha alma arde
e uma chaga floriu na minha carne.
Não choro.
Mas tremem estrelas cadentes
nas lágrimas pendentes que sustenho.
Não canto.
Mas sopro nuvens
no pó que levanto.
Não ando.
Mas todo o meu espírito
vadia sem folga nem descanso.


Não durmo.
Hiberno: verme     esvurmo limo e lama
no fosso em que me enfurno
aninho e faço a cama.
Não amo.
Sobre a seta quebrada no meu peito
raiva uma fonte de sangue
a incendiar a sede     a incinerar a fome
dos homens     dos bichos     das florestas.
Não sonho.
Mas a fé
faz da esperança e da saudade
sentinelas do sepulcro
onde     vivo     o meu coração jaz
pisado por cavalos em tumulto.

Estou morto.

Mas o sol explode
a luz esplende
em plena primavera
neste corpo

que me prende

e me suspende

absorto.

sábado, 24 de junho de 2017

Um Bentley ao Batráquio




Vai de Bentley, o batráquio
Corre a estrada qual ciclone
Meio milhão não é prejuízo
E dá um estilo à Stallone
 
Por ajuste secreto responde
Alegadamente picou o anzol
Vejamos o que debaixo esconde
Dos campos sintéticos do futebol

Acelera veloz p'ró Caracas
O teatro do centro refundado
É verde alpino, é do caraças
Não, não é dele, é emprestado

Um batráquio num Bentley
Imagem que a ninguém doa
Dúvidas responde perante a Lei
É um senhor, será pessoa?









sexta-feira, 23 de junho de 2017

Lições

Da vida recebo toda e qualquer lição.
Reservo-me o direito de escolher os mensageiros-professores.

Doutor Tempo



Um dia destes
sofrerei
a última
e cruenta
transformação.
O rei dos especialistas
sem bisturi opera,
o maior cirurgião.
Deixarei por fim
de ser mulher.
Velha apenas.

Onde está o Bebé?



Ilustração de Edward Gorey


nem o amor de mil homens
quanto mais de três
ou quatro
e mais sete
amantes por fora
a morrer à migua
porque não foi suficiente
o do primeiro
quando era preciso
o papá
que pena
mais
uma bebé estragada
por falta de mimos